segunda-feira, 19 de julho de 2010

Maratona da Cidade do Rio de Janeiro 2010



Geral: 139ª Corrida 2010: 20ª Corrida
Data: 18/07/2010 – 07h33min (domingo)
Local: largada no Recreio dos Bandeirantes, chegada no Aterro do Flamengo – Rio de Janeiro/RJ
Distância: 42,195 Km (5ª) plano
Tempo: 4:34:13 (líquido, 4:38:30 no tempo oficial) e 4:41:03 (bruto)
Velocidade Média: 9,23 Km/h (2,56 m/s) Passo: 6:30down(-17,96%)
Pontos (Tabela Húngara): 112
Temperatura: nublado com garoa e aberturas de sol, entre 19ºC e 21ºC
Valor da Inscrição: R$ 90,00 (com ônibus para a largada)
Número de peito: 3687
Tênis: Reebok Smoothfit Cushion vermelho/cinza (4)

Colocações:
Geral: 1896º (de 2563) 73,98%
Masculino: 1661º (de 2180) 76,19%
Categoria 35-39 anos: º (de ) ,%

Resultado na Web:
http://www.chiptiming.com.br/v3/resultado_view.php?pCodEvento=1103

Relato:
Quem me conhece, sabe que eu não digeri nada bem aqueles burros n’água de Porto Alegre. Tanto treino, tanta preparação para, por conta de um “mero detalhe”, não conseguir sequer concluir a prova. Pensei, falei e escrevi um bocado de bobagens na semana que sucedeu aquele dia fatídico, mas lá nas entranhas, ficou um desejozinho de vingança. Não estilo Charles Bronson, mas a vontade de dar a volta por cima, de justificar o esforço, de fazer o que se sabe (modestamente) ser capaz.

Assim sendo, e tendo o convite do meu grande camarada Ricardo Hoffmann para desfrutar da hospitalidade de seus familiares (e bota hospitalidade nisso, fui tratado como um marajá! Obrigado por tudo, Dona Dag e Seu PC!), acertei o carreto com meus amigos Samira e Jorge (ele, indo fazer sua quarta meia maratona em terras cariocas) e deixei tudo esquematizado para uma nova tentativa de concluir bem uma maratona. Tudo, inclusive a estratégia de marketing, que era, digamos, não ter marketing. Por que isso? Evitar o excesso de expectativa. Minha mesmo, mas também dos amigos corredores, que estão sempre me acompanhando e torcendo por mim. E que eu não queria frustrar, caso uma nova falha eventualmente viesse.

Até a véspera, para todos os efeitos, eu estaria participando mais uma vez da Corrida do Aniversário de São José dos Campos (parabéns a todos os que estiveram lá, parece que a 100 Juízo mais uma vez esmerilhou geral). Reservara a vaga (as inscrições acabaram no mesmo dia!) para a prova local porque certeza absoluta da possibilidade de encarar a maratona, não havia. Mantive a pegada dos treinos, na companhia valorosa do Michel (que seria meu confidente, o único da turma que sabia do projeto), depois de uma semana de folga pós-PoA. E, em alguns momentos, a virilha que estragara tudo nos pampas, ameaçou melar a festa outra vez. Por sorte ou acaso do destino, melhorou. Baleado estivesse, não iria para o Rio correr 13 km (ou qualquer outra distância inferior à total) e parar.

Antes das seis horas da madruga de sábado, escuridão total, saí de casa e fui encontrar Jorge, Samira e Sâmia para um longo passeio pela Dutra. Viagem tranquila, pelo menos até chegar em Nova Iguaçu, onde pegamos 10 km de paradeira por conta de um acidente. Pista molhada e velocidade, definitivamente, não combinam. Pouco depois das 11h, chegamos ao centro de convenções, local da entrega dos kits pré-prova. Parecia que ia ser sossegado, mas não foi bem assim. Ao invés de fazerem tudo num lugar só ou em uma única sequência, havia uma fila para assinar o termo de responsabilidade, outra para a retirada do chip e número de peito (e outra ainda para os VIPs do patrocinador), outra para validar o chip e uma última para preencher sei lá o quê com uma caneta especial (nessa eu nem entrei). Confusão, desinformação, grosseria de seguranças despreparados e uma perda de tempo danado. Mas nem tudo era má notícia também. Reencontrar a galera que tão bem me recebera na minha última estada no Rio (Leo, Paulo Massa, Jorge Ultramaratonista) e que há tempos eu não via, já transformava tudo em festa. Conhecer pessoalmente Miguel Delgado, figura das mais queridas e admiradas na comunidade de corredores-blogueiros (e vice-versa), idem. Por gentileza, senhores, quero as fotos. Minha câmera estava nas profundezas da mochila...

Encontrando meus anfitriões, fui fazer mais um tour, dessa vez por Niterói. Primeiro a ponte, depois a orla, passando pelo belo cenário do museu projetado por aquele garoto Niemeyer. Subidinha boa pra treinar, hein, Hoffmann? Devidamente instalado, tive que fazer um certo esforço pra não dormir e estragar a noite de sono. Poderia ter entrado na roda de caixeta, mas como não levo muito (ou nenhum) jeito para jogo, fiquei lendo (inclusive o manual do participante da prova) e brincando com a Julinha, que é uma graça e muito esperta também. Sabe até onde está Wally em todas as páginas! À noite, se é que ainda tinha espaço no bucho depois de tanta coisa boa no almoço e no café da tarde (pensei que era só a minha mãe que praticava esse esporte!), fomos para o 7 Grill, rodízio de pizzas e massas impecável, que fez valer cada minuto dos quase sessenta na fila de espera. Que delícia e quanta variedade! Fui dormir pesado, mas feliz da vida. Só senti muito a ausência da companheira de sempre. Sem ela, nunca é a mesma coisa.

E pesado também seria o sono. Combinei com o Hoffmann de acordarmos às 4h, já que com o Leo, no ônibus que nos levaria até a largada, estava para as 5h15min. Mas ou o alarme do meu relógio não tocou, ou eu sozinho perderia a hora. Não adiantou bater na porta, acender a luz. Só fui ressuscitar mesmo com o acoooooorda. A próxima tentativa seria o balde de água gelada, imagino. O rodízio ainda estava no prazo de validade, não rolou nem café da manhã. Assim, o atraso foi compensado por isso e pelo trânsito nulo até o outro lado da grande poça. Mas, prevenidos, levamos a marmita, ainda tinha muito tempo até a hora de começar a correr. Deixamos o carro em frente ao prédio do Leo e fomos para a grande fila. Dessa vez, só dos ônibus, para entrar neles foi bem tranquilo. A caminho, nos encontramos primeiro com o Gian, depois com o neobaleia Ivo Cantor (indo para a meia maratona) e Marly, trocamos votos de boa sorte e sentamos lá no fundão do coletivo. A organização tinha disponibilizado sacolas plásticas numeradas para uso do guarda-volumes. Duvido que alguém tenha ganho da minha, onde já estava toda a bagagem, pronta para a viagem de volta. O Leo, que não perde a piada, perguntou se era a tenda da equipe ou o computador, pra ir adiantando o relato...

O traslado Aterro-Recreio foi por um caminho diferente do de dois anos antes. Ao invés de seguirmos pela orla, por onde voltaríamos correndo, usamos um caminho alternativo. Demorou, choveu, parou, o ventinho frio que entrava pela janela dava a entender que bateríamos queixo até a hora de começar a brincadeira. Pra descontrair, fomos combinando a estratégia de prova: homenageando o recentemente falecido comediante Gibe, o ritmo seria de Papai Papudo: cinco e sessenta, quase seis.

Tinha ainda bastante tempo, mas também bastante coisa pra fazer. Como tragédia pouca é bobagem, com tanto banheiro químico, fui pegar logo a fila de um que estava trancado (ou com algum suicida dentro). Fiz o lanchinho, cumprimentei os amigos, bati papo, tirei algumas fotos (pensei até em levar a câmera no bolso, mas acabei desistindo). Ouvi com atenção dicas importantes, como as do experiente craque Dimas. Tinha que ter em mente que estava ali para uma missão pessoal, sim senhor. Mas sem transformar aquilo numa obsessão, algo a ser atingido a qualquer custo. Corrida, qualquer que seja ela, de qualquer distância, é só uma corrida. Demos a ela a devida importância, mas não mais do que isso.

E a hora enfim chegara. Indo para o meio da massa, encontrei o Colucci, mais um surpreso com a minha presença inesperada. Alinhado, cumprimentei o Fernando, marido da minha prima, que não via desde a Volta da Pampulha 2007. Quando finalmente nos liberaram para correr, a sensação mais uma vez, a exemplo do que acontecera em minha primeira maratona, ali mesmo, foi deliciosa. Como é bom começar a se movimentar, sabendo que o destino está tão longe, mas ainda assim, ao seu alcance, dependendo unicamente do seu esforço para atingi-lo. Dessa vez eu não tinha um script numérico no bolso, planejando um km-a-km tão utópico, praticamente impossível de alcançar. Tinha sim a determinação de fazer o meu melhor, começando devagar, me aquecendo, acostumando meu corpo à demanda de esforço que viria. Combinando com ele o que iríamos juntos fazer. Uma frase em espanhol, nas lindas fotos que ilustraram o relato dos Baleias uma semana antes, em Quito, dizia que “amanhã seu corpo saberia do que sua cabeça é capaz”. No meu caso, seria hoje mesmo.

O primeiro quilômetro passou devagar, como era de se esperar. 6’27’’ foi a marca nele. Não vi o Colucci, o Leo e nem o Gian, apenas o Hoffmann estava mais ou menos na mesma batida que eu, mas um pouco mais forte. Fizemos o balãozinho e entramos naquele calçadão cheio de bolinhas de concreto, primeira visão mais próxima do mar no trajeto. Ouvindo, como de costume, frases em múltiplos idiomas, alguns inteligíveis, outros nem tanto. Saindo deste trecho e voltando para a avenida, encontrando de volta gente ainda indo, chegou a segunda placa, já em ritmo bem melhor, de 6’07’’. Ritmo de trotinho confortável, que eu pretendia levar adiante pelo maior tempo possível. O pórtico reapareceu, o km 3 passou com 6’11’’, teríamos agora pela frente o longo e interminável retão do Recreio dos Bandeirantes. No primeiro posto de água, peguei um só copão (gostei da mudança, antes um daqueles do que dois do outro menor), já usei parte para molhar testa e braços. O frio prometido não viera, a chuva também não. Ameaçava até abrir sol, coisa que ninguém, meteorologista ou não, esperava. A temperatura era agradável, diria até quase perfeita para correr. Só não levava nota máxima por causa da umidade, meio exagerada.

A sinalização, desta vez, parecia mais visível que em 2008. As placas em laranja, cor oficial da maratona (as da meia, bem mais à frente, seriam verdes) chamavam a atenção, mesmo de longe. Mas isso não queria dizer que estariam bem colocadas. Ficou clara a discrepância nos quilômetros 4 e 5, onde, sem nenhuma grande variação de ritmo, houve tempos como 6’26’’ e 6 cravados. Mas isso não seria motivo de estresse. Continuava na cola do Hoffmann, ora emparelhando, ora o vendo abrir dez ou vinte metros de frente. Não era uma competição, mas era motivador lembrar que ele havia chegado na minha frente simplesmente em todas as corridas que já tínhamos feito juntos. Seria o meu coelho de hoje. Um que eu conheço e em quem confio.

A única estratégia da estreia, mantida para essa segunda participação, era o uso dos géis de carboidrato. A mais simples possível: posto não, posto sim. O segundo ponto de hidratação chegaria no km 7, bisando 6’07’’ nas duas placas. Abri o primeiro dos quatro sachês que levara (se mais necessário fosse, haveria dois postos de distribuição no percurso). Não foi por isso, já que estou acostumado há muito com o uso desse produto. Mas foi mais ou menos aí que a coisa começou a apertar. Literalmente. Não dava mesmo pra ficar impune depois de tanto nhoque de aipim com carne seca, quatro queijos e frango, rondelli prestígio (é, coco e chocolate mesmo!) e quetais. E saindo de casa às pressas, sem a indispensável escala wanderley-cardósica, como diria Shigueo Dundee. Isso ajudara a estragar minha corrida em Porto Alegre, mas hoje não seria assim. Saber segurar as pontas ajudaria, mas a estrutura oferecida pela prova, idem. Conseguiria levar até o km 19, dispensando as casinhas do km 15, as primeiras que apareceram pelo caminho. Papel, que faltou na gaúcha? Estava no bolso. Deixar o relógio correndo e isso influenciar, dar sensação de caso perdido? Não. Parei o cronômetro. Tempo líquido é tempo de corrida, a despeito do que aparece na lista de classificação oficial.

Até chegar às vias de fato, entretanto, bastante coisa aconteceu. Cumprimentei de passagem a Marina e a Tomiko, duas japas corredoras e valentes, que não via desde a Trilheira. O Hoffmann escapou de vez, só sendo reencontrado porque teve que fazer um pipi-stop também. Os ritmos tinham variado bastante, ficavam entre 6’10’’ e 6’25’’, sabe-se lá quanto por minha conta e quanto por causas externas. Os primeiros 10 km passaram com 1h02min. A programação de suplementos foi mantida: outro gel no km 15 e reposição de eletrólitos no km 12. Ao invés da pastilha de sal, no entanto, optei por dissolver um tablete de Suum no copo d’água. O Recreio demorou, mas passou, veio o cenário bem mais urbano da Barra. Passou por ali um camarada correndo com a 9 do Corinthians e todo mundo falou pra ele: “cuidado com as moças daqui, hein, fenômeno?”.

O trecho até a parada forçada foi bastante complicado. Mas depois da passagem-relâmpago pelo banheiro químico, eu saí dali outra pessoa, pronto pra encarar o que desse e viesse. Quinze segundos mais rápido por quilômetro, traduzindo em números. O sol surgiu e pareceu que ia tomar conta da prova a partir dali, mas o que veio foi garoa. E a chuva forte da véspera tinha deixado lembranças. Por todo esse trecho, enormes poças d’água nos obrigavam toda hora a subir na calçada. Ou ficar encharcado. Não é à toa que muitos GPS marcariam bons metros a mais! A metade da prova chegou pra mim com um tempo alto para uma meia (2h11min), mas alvissareiro para a primeira parte de uma inteira. O dobro disso, hoje, seria um resultado digno de rojões. Cabia a mim tentar manter a pegada.

Viria um trecho mais difícil a partir dali, mas também bem mais divertido. Percurso plano é bom e eu gosto, mas uma variaçãozinha, de vez em quando, também cai bem. Dizem até que muscularmente falando, exigindo outra parte não utilizada no longo trecho plano, antes e depois. Apareceu o Elevado do Joá, que subi tranquilamente. E depois a sequência de túneis. No primeiro fechado, aquela gritaria desagradável de sempre, gente gastando fôlego em vão. No aberto, com a pista de trânsito passando em cima, aquele visual fantástico do mar, talvez o cenário mais bonito de toda a prova. E no segundo fechado, uma bonita intervenção, com a música clássica (bem mais agradável aos ouvidos que os gritos de meeeeengooooo) e os balões iluminados de um dos patrocinadores do evento.

A ansiedade crescia. E a emoção também. Surgia São Conrado, onde eu também chegara bem em 2008, mas onde a prova acabaria para mim, com uma cãibra devastadora no alto da Av. Niemeyer. Passei pelo trecho plano tentando acelerar para chegar com pique ao pé do morro. Alcancei inclusive o Hoffmann, que também tivera o mesmo problema que eu. E comecei a subir tentando manter a boa passada, mais uma vez, aproveitando para ultrapassar muita gente andando, ou quase isso. O ritmo, claro, caiu bastante neste trecho difícil da corrida, mas a subida foi bastante agradável. Rever a placa 29, onde minha corrida de dois anos antes virou rastejamento, confesso, me trouxe lágrimas aos olhos (como eu sou sentimental!). Mas não me fez mal, muito pelo contrário. Deu um gás danado, uma das sensações mais gostosas de todas as minhas corridas até hoje. Tudo bem que foi em descida, mas o melhor quilômetro da prova, o único abaixo de seis (5’47’’) veio ali, na placa 31. Depois de gargalhar com o molequinho no Vidigal pedindo energético aos corredores que passavam. Ué, não era só boné?

Fim do isolamento. Se ali no começo da prova, nossas companhias eram apenas o mar e o vento, depois os prédios imponentes e os quiosqueiros, agora estávamos na parte badalada e megamovimentada do percurso. Leblon, Ipanema e Copacabana, nessa ordem, seriam os próximos passos dessa caminhada. Algum apoio, alguns aplausos, acredito que até um pouco mais que na minha participação anterior, mas muita gente curtindo praia, apesar do tempo pouco apropriado para tal. Outra placa boa de ver correndo seria a 33, onde eu sentei e quase fiquei em 2008, atacado por outra cãibra, dessa vez na panturrilha. Não ia forte, os ritmos tinham caído para a casa dos 6’30’’, mas era um lento com orgulho.

Mas nem tudo estava maravilhoso. Esse trecho, embora muito bonito, tem um aspecto psicológico negativo, que é conseguir ver a outra ponta da praia, que parece que não chega nunca mais. Em Ipanema, a coisa ainda seria contornável. O Arpoador custou a vir, mas veio. Mas em Copa, a coisa começou a azedar. Evitei a todo custo ficar olhando para frente e procurando o tal Meridien, na esquina com a Av. Princesa Isabel, onde finalmente deixaríamos a Av. Atlântica. Mas mesmo assim, a sensação de roda girando em falso era inevitável. O Colucci, bem mais ligeiro, mas hoje em ritmo atípico, me alcançou e achei que me acompanharia dali, mas disse ter dado um pique só pra dar um incentivo (que valeu muito, amigo, obrigado!). No quilômetro 37, quase desanimei de vez, cheguei a andar um pouco, mas não deixaria isso botar a perder todo o esforço até ali. Respirei fundo, fui buscar força sei lá de onde. Mas faria aqueles cinco quilômetros finais CQC (exceto por contusão ou se passasse mal, o que não seria o caso). Ninguém tinha dito que seria fácil...

Mas, quando você entra à esquerda chegando ao Leme, parece que tem um algo mais te empurrando. Não sei bem o que é, mas já tinha sentido isso da outra vez, com a musculatura destruída. Não seria com ela apenas fatigada que deixaria a peteca cair. Vieram os dois túneis, abafados como sempre, apesar do friozinho. O cara da Coca não apareceu, mas em compensação, teve um outro distribuindo laranjas. Como o ser humano sabe ser solidário, quando quer. Já no Aterro, encontrei o amigo Rogerio, que tinha feito a meia (se recuperando de uma lesão) e tirava fotos, entre as quais, a que ilustra este relato (valeu, amigo!). Passaram por mim dois corredores, que disseram estar na mesma situação, sem pernas, e deram um incentivo. Corri com eles por alguns metros e avistei, passando de bike no sentido contrário, o Paulo Massa, outro que também superara dificuldades e fizera muito bem a meia, mesmo com pouco treinamento. Seria a minha escolta nos dois quilômetros finais. Mantendo em alta minha motivação, mesmo quando parecia que o tanque já estava vazio e paces na casa de 7 pareciam tiros de 100 metros. A exemplo do que fizera o Wlad, dois anos antes (e que eu reencontraria depois da prova, o parabenizando pela maratona concluída), o camarada praticamente me carregou nos braços. Um pedaço grande dessa medalha (talvez não tão bonita quanto a primeira, mas tão valiosa quanto) é seu, Paulo! Muito, mas muito obrigado mesmo!

Ser saudado de passagem por Jorge e Samira, Ivo e Marly e pela família Hoffmann foi muito gratificante. Aqueles 195 incríveis metros finais, dessa vez sem direito a sprint, são sempre de pura emoção. Quando não forem mais, eu paro com isso. Ao passar pela linha de chegada, ergui as duas mãos ao céu, agradecendo a Deus e a todos os que me querem bem, torcendo por mim (os que sabiam) ou não. E chorei de alegria. Não pelo tempo, que foi recorde, mas bem acima do que parecia que ia ser: 4h34min (na minha cronometragem, na oficial vai contar o tempo gasto no nº 2). Mas por chegar inteiro ao fim dessa jornada, sem vestígios da dor que impediu a última. Cansado, quase esgotado, mas sem me arrastar por nenhum minuto. Andando quando foi necessário, talvez até estratégico. Mas com a sensação de que finalmente tinha conseguido encaixar uma maratona. Disse com sabedoria, logo depois da chegada, meu grande amigo Guilherme Maio, feliz com seu tempo também recorde: não tem fantasma. Se tem, a gente caça!

O esforço deixara lembranças. Foi difícil andar até a retirada do kit (que tinha frutas e barrinha, eu não conseguiria comer logo depois da prova, meio de estômago embrulhado) e do isotônico (e que fartura dele, duas garrafas de 500ml entregues durante o percurso e mais essa). Voltar para me despedir dos meus anfitriões, além de esperar a chegada do Hoffmann, eu adoraria. Mas depois que sentei e esfriei, foi simplesmente impossível. Peço desculpas pela falta de educação compulsória. Amparado por Jorge e Samira, fui colocado dentro de um táxi e só fui me recuperar depois de um banho (acabar a luz durante é requinte de crueldade, hein?) e um saboroso almoço na Tijuca. Não há palavras suficientes para agradecer a generosidade desses meus amigos, que me trataram como um filho (meio primogênito demais, hehehe...) durante todo esse final de semana. Parabéns ao Jorge, que melhorou bastante seu tempo nos 21k e terraplanou a Niemeyer.

Foi, enfim, um dia e um final de semana inesquecíveis. Do esporte que eu adoro, de convivência e reencontro com amigos muito especiais, de conquistas e muito aprendizado. Não vou (e podem me cobrar) mais fazer maratonas em 2010. Acho que a missão está cumprida por hora. Mas não vou abrir mão do meu direito de continuar tentando aprender a fazê-las. E, depois do devido e merecido descanso, quero curtir muito esse segundo semestre esportivo, competindo (comigo mesmo) nas provas curtas (ou nem tanto), treinando com os amigos e contando aqui as minhas histórias. Fazendo, enfim, tudo aquilo o que eu sempre fiz. Quem gostar, lê e comenta. Abraços a todos!

Avaliação: (1-péssimo 2-ruim 3-regular 4-bom 5-excelente)
- Inscrição: 5 (internet, cartão)
- Retirada do kit pré-prova: 3 (confusa e com pouca informação)
- Acesso: 5 (mais tranquilo do que eu esperava)
- Largada: 5 (atraso bem pequeno, sem bagunça)
- Hidratação: 5 (perfeita)
- Percurso: 5 (fora a monotonia do retão, perfeito também)
- Sinalização: 4,5 (muito bem feita, mas tinha placa fora do lugar)
- Segurança/Isolamento do percurso: 5 (melhorou bastante em relação à última que fiz lá)
- Participação do público: 4 (mais que em 2008, apesar do frio e da chuva)
- Chegada/Dispersão: 5 (tranquila)
- Entrega do kit pós-prova: 5 (sossegada)
- Qualidade do kit pós-prova: 4 (pelo custo, poderia ser mais caprichado, mas ficou de bom tamanho)
- Camiseta: 5 (tecido de qualidade)
- Medalha: 4 (a de 2008 era muito mais bonita)
- Divulgação dos resultados: 4,5 (no dia seguinte, com e por tempo líquido)

Média: 4,6

15 comentários:

G.M. disse...

Amigo Fábio,
Por razões que a minha suprema ignorância tecnológica desconhece, não consigo acessar o seu site.
Por este caminho alternativo lhe parabenizo pela lição de vida que você tão bem nos ensinou com suas atitudes, tão bem relatadas.
Satisfação em revê-lo!
Obrigado por seu incentivo constante e pelas visitas lá no blog.
Ass.: Guilherme.

Fábio Namiuti disse...

Obrigado, amigo Guilherme. Nosso chapa Fabio Matheus deu uma pista: como eu, usuário da Net, estou conseguindo acessar normalmente, pode ser que o problema esteja em alguma "picuinha" do Speedy com o servidor que hospeda o meu site e o da 100 Juízo. Estou tentando descobrir e resolver.

Satisfação minha em revê-lo também. E em saber que essa teve direito a recorde pessoal e tudo. As próximas certamente serão ainda melhores e você vai fazer por merecer isso!

Força, sempre!

Fábio

claudio disse...

Grande Fábio!
Sensacional seu relato e seu resultado, me fez, por cinco minutos cogitar treinar pra uma maratona (um dia ainda vou).
E como disse o GM ai em cima, minha ignorância tecnológica, que é enorme tb me impediu de acessar seu site. Fiquei até surpreso quando estava procurando o resultado de uns amigos daqui de Guará, pelo nome da equipe e vi "100 juízo". Fiquei contente com seu resultado, e mais ainda sabendo da sua realização pessoal.
Seus relatos estimulam muita gente, escrever sobre corrida sendo quase um Keniano é facil, legal e dificil é escrever sendo um corredor "normal" como voce, eu e muitos outros. Parabéns de novo!!
Abraço
Cláudio

Cida disse...

Fábio,
Gostei muito do relato e de sua trajetória...claro q não foi fácil, mas muito gratificante. Parabéns pela conquista da sua primeira Maratona. "Sonhos e dedicação, são uma poderosa combinação". Comecei a treinar com um grupo em Santos no início de 2009, apesar de pouco tempo, também sonho em fazer uma Maratona, e farei o possível para realizá-la em 2011. Esse ano, consegui fazer 25 km na Maratona de São Paulo e depois "21 km e 25 km" em outras duas provas da CORPORE, pra mim foi uma grande vitória. Agora é sonhar, treinar e se dedicar para realizar o meu sonho em 2011, como você e todos que tiveram o prazer dessa grande conquista. "Se você pode sonhar, então pode realizar" (Walt Disney)
Ass. Cida

Fabiana disse...

Nossa essa do Speddy foi demais,obrigada pela alternativa.

Parabéns por mais esta prova,quero ver se consigo estar ano que vem lá =D

Bons Kms
Fabi =D

Antonio C R Colucci disse...

Boa Namiuti!
O caminho alternativo foi bom!
Parabens pela conclusao dessa prova que realmente é linda. Voltarei treinado para fazer bem feito.
Seu relato simplesmente perfeito, como sempre. Preciso fazer o meu sem joelho mas ainda vivo. hehe
Curitiba pelo que to vendo vai ter uma turma enorme, Guilherme Maio, Mayumi e muitos outros. Será que te encontrarei lá na largada de novo?
Abraço
Colucci
@antoniocolucci

claudio disse...

Fábio Namiuti,

O que ei li agora não foi um relato. Foi um Retrato. Sim, esta é a palavra. Retrato vivo do seu estado de espírito.

A leitura foi a do tipo que mais aprecio: a que escorrega.

Li escorregando por sobre a escrita, serena e fluida como "sói
acontecer" a dos grandes escritores de nosso tempo (que, infelizmente, não são muitos).

Só consigo imaginar que isso represente de fato o fechamento de um ciclo, resultado mesmo de todo um "caminho", do qual "o melhor" foi percorrê-lo.

Tive certeza disso quando cheguei ao fim, que não teve fogos de artifícios. Ao contrário disso, passou longe daquele amalgamado de adjetivos e superlativos que fazemos quanto tentamos dizer o indizível. Fico comovido só de imaginar a quietude e paz que está vivenciando. É isso.

Fábio Namiuti disse...

Grande Cláudio!

Valeu, muito obrigado pela força. Esses cinco minutos eu conheço bem, depois viram bem mais, hehehe... Tudo é questão de preparação. Se você tem saúde, vontade, tempo e disposição para treinar, a maratona está no caminho.

Pior que não é ignorância tecnológica, é problema do site mesmo. Parece que quem acessa via Speedy está tendo problemas.

O disfarce até que funcionou bem, acho que valeu a surpresa. Foi muito legal encontrar os amigos lá no Rio e ouvir "o que você tá fazendo aqui?". E depois também, as reações tem sido um barato.

Eu fico contente com isso, saber que meus relatos servem de inspiração para os amigos que praticam o mesmo esporte. Eles mostram as dificuldades, as vitórias e as derrotas de uma pessoa comum, sem grandes aptidões, mas com muita força de vontade. E que ninguém precisa ser um grande atleta para fazer coisas bacanas na vida.

Abraço e até as próximas!

Fábio Namiuti disse...

Obrigado, Cida. Na verdade, foi minha quinta maratona, a quarta concluída. Mas não é errado dizer que foi a primeira também, porque as outras tinham sido um misto de trote com caminhada. Só dessa vez consegui correr praticamente toda a prova, tirando uns dois minutinhos à toa em Copacabana.

Concordo totalmente com a frase. Com saúde e essa combinação, ninguém nos segura. Parabéns pela sua história de vida como corredora. Siga sempre firme, se dedicando e treinando bastante, e os seus objetivos certamente serão atingidos também.

Um abraço!

Fábio Namiuti disse...

Pois é, Fabi, o Speedy tá aprontando comigo, ainda bem que os amigos não estão me abandonando, hehehe...

Valeu, obrigado pela visita e pela mensagem. Se tiver a oportunidade, vá mesmo, correr no Rio é sensacional, qualquer que seja a distância.

Bons kms pra todos nós, sempre!

Fábio Namiuti disse...

Valeu, Colucci! O importante é que os amigos compareçam, por qualquer caminho que vierem...

Obrigado pela força! Parabéns a você também, que foi guerreiro, mas sobretudo soube se poupar. Melhor treinado e inteirão, eu, você e a torcida do Flamengo sabemos que dá pra baixar uma hora e meia desse resultado de domingo.

Véio, não fica instigando, que eu sou fraco, hehehe...

Brincadeiras à parte, as coisas até podem mudar até novembro, mas a minha intenção é passar a régua dos 42 por esse ano mesmo... Até 21, me chamem que eu vou!

Abração e até as próximas!

Fábio Namiuti disse...

Meu amigo Claudião, comovido fico eu... Chamei de "Mãe Dináh" o Fabão, mas clarividente nessa história é você. Não é a primeira vez que você interpreta melhor que eu as minhas próprias palavras. E a senha é mesmo essa: paz. Fascinante constatar o quanto disso essa corrida me trouxe. O caminho, creio eu, será ainda melhor daqui pra frente, com ela na bagagem. Como esteve com vocês durante e depois daquela subida que parecia que não acabava nunca mais (talvez de tão boa).

Muito obrigado. Pelas palavras e pela inspiração.

Um abraço!

walter disse...

Olá Fábio, sou Walter do blog Longas Distancias.blogspot.com de SB do Campo, não nos conhecemos, mas vejo seus comentários no blog do Shigueo. Cheguei agora ao seu blog atraído pelo post sobre maratonas. Também corro maratonas, vou para minha quinta em Curitiba. Seu relato é grandioso e ler que se os metros finais da maratona não emocionarem mais vc. para com isso, foi para mim um grande incentivo, porque não há como não se emocionar, e eu penso exatamente assim. Parabéns pela prova e vá para Curitiba, dá tempo de se recuperar até lá. Abraço.

Fábio Namiuti disse...

Olá, Walter, obrigado pela visita e pela mensagem. Seu blog está entre os favoritos do meu Arquivo de Corridas. Parabéns pela sua história como corredor e pela experiência em maratonas.

Cada maratona é uma nova história, que a gente sabe bem que não dura "só" os 42 km propriamente ditos. Há todo um caminho até ali. Sinceramente falando, se um dia eu banalizar isso tudo, encarar como algo que se faz por fazer, parto para outro esporte. Quero que essa emoção dos metros finais se renove sempre, a cada chegada.

Boa preparação para Curitiba! Tempo hábil eu sei que há, mas confesso que esses quase sete meses de treino ininterrupto (primeiro para Porto Alegre, depois para esse plus no Rio) me deixaram desgastado. Continuar mantendo isso, creio eu, multiplicaria o risco de lesões. Ir sem treinar direito, acho que não daria pé também. Então, mesmo com vontade e o convite dos amigos, devo passar essa. Mas o Paraná que me espere em 2011!

Abraço!

Fábio

Profª. Vânia Almeida disse...

Olá, vim te fazer um pedido...

Gostaria de receber seu voto no Concurso BlogBooks que estou participando, é que meu blog poderá virar um livro e isso é um sonho né!
Se você acha que merecemos, por favor vote em nós. Pode votar quantas vezes quiser e poderá também divulgar para seus amigos, se achar oportuno.
O link é esse: http://migre.me/15kNZ

Agradeço seu carinho e muito sucesso para ti.

Vânia Almeida